fbpx

Entenda como a autonomia do Banco Central pode melhorar a vida do brasileiro

Entenda como a autonomia do Banco Central pode melhorar a vida do brasileiro.

▶ Inflação e o Banco Central

A inflação é um aumento geral nos preços, que diminui o poder de compra das pessoas e prejudica especialmente os mais pobres.

O Banco Central é a instituição responsável pelo controle da inflação. No Brasil, e em muitos países, é definida uma meta anual de inflação. Ou seja, quanto os preços – a partir de uma lista de produtos e serviços – devem variar no ano.

▶ Como funciona?

A principal ferramenta do Banco Central para controlar a inflação é a definição da taxa de juros básica, a SELIC.

Quando a expectativa de inflação sobe e a inflação começa a dar sinais de que irá aumentar, o Banco Central aumenta a SELIC para prevenir uma inflação alta no futuro. Quando o inverso ocorre, a tendência é de queda na taxa de juro.

▶ Por que não manter uma taxa alta e impedir a inflação?

Aumentos excessivos da taxa de juros tendem a reduzir o investimento e o consumo, diminuindo a inflação às custas de crescimento econômico.

Quando acontece o oposto e o Banco Central baixa demais os juros, no geral, o consumo e o investimento sobem, resultando em crescimento econômico artificial de curto prazo. Ou seja, um crescimento insustentável no longo prazo, que resulta em aumento da inflação, obrigando o Banco Central a aumentar o juro.

▶ Os políticos e o Banco Central

Como estes efeitos de crescimento aparecem no curto prazo e seus efeitos negativos são sentidos apenas no longo prazo, o governo federal do momento tem a oportunidade de realizar políticas populistas.

Por exemplo, para ganhar uma eleição, quem está no poder pode achar vantajoso baixar artificialmente o juro ou impedir que ele suba quando é a hora, gerando um crescimento artificial que impacte nas urnas. Para o país é péssimo, já que a consequência será mais inflação e mais juro no futuro.

▶ A autonomia

Para blindar o Banco Central deste tipo de interferência, se discute agora a sua autonomia. A proposta prevê que os presidentes da instituição sejam indicados pelo executivo e confirmados pelo Congresso no meio dos mandatos do executivo federal, adquirindo a partir daí um mandato fixo de 4 anos não coincidente com as eleições.

Para demitir a presidência do Banco Central, o executivo precisaria da autorização do Congresso.

▶ Credibilidade importa

Quanto maior é a credibilidade de um Banco Central, mais fácil se torna o controle da inflação.  Afinal, a sociedade acredita na meta anunciada e ajusta seus preços de acordo.

Bancos Centrais ganham e perdem credibilidade pelo seu histórico em cumprir a meta de inflação. O comportamento eleitoreiro tratado anteriormente arruína por completo a credibilidade de um Banco Central.

Estudos tem mostrado que o grau de autonomia do Banco Central está positivamente relacionado com um melhor controle da inflação e maior estabilidade da taxa de juro.

Tornar o Banco Central autônomo significa inflação baixa e preservação do poder de compra do cidadão. Além disso, juros estáveis e mais previsíveis resultam em mais investimentos, emprego e renda.

Receba nossas

novidades por

email