fbpx

Austrália: o que podemos aprender com o exemplo liberal que ficou 29 anos sem recessão

O respeito às liberdades individuais e econômicas, enraizada na cultura australiana, permitiu que o país se desenvolvesse e ficasse 29 anos seguidos sem enfrentar recessões.

Desde que o índice de Liberdade Econômica foi criado, em 1995, a Austrália sempre esteve na parte superior do ranking, e atualmente ocupa a 4ª posição. Como resultado, o país tem o sexto maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do mundo e uma das maiores rendas per capita do planeta.

Tudo começou quando as primeiras frotas de colonizadores britânicos atracaram na Austrália em 1788 para estabelecer uma colônia penal. Na época, era uma sociedade composta basicamente por soldados e condenados que chegavam exilados da Inglaterra.

Os soldados e aristocratas ingleses perceberam que, ao conceder liberdade econômica à população, inclusive aos condenados, eles também se beneficiavam com o aumento da produção das mercadorias.

Todos passaram a ter seus direitos civis respeitados. Um desses era o direito de empreender. Formou-se então um sistema jurídico fundamentado no respeito aos direitos individuais e à propriedade privada, abrindo caminho para transformar a Austrália em um país desenvolvido.

Atualmente, novos regulamentos só podem ser criados se todas as partes afetadas forem consultadas antes. A estrutura de investimento transparente permite que empresas estrangeiras possam competir com empresas australianas em igualdade de condições. Além disso, a legislação trabalhista do país é moderna e flexível. Esses fatores fazem deles um dos países mais transparentes e eficientes do mundo para quem quer trabalhar e empreender.

A distância entre Brasil e Austrália nos índices de liberdade e da prosperidade resultante dela explica nosso atraso:

▶ Facilidade para empreender: Austrália 14° | Brasil 124 °
▶ Liberdade Econômica: Austrália 4º | Brasil 144º
▶ Liberdade Individual: Austrália 5º | Brasil 109º
▶ IDH: Austrália 6º (0,938) | Brasil 79º (0,761)
▶ PIB per capita: Austrália 22º | Brasil 90º
▶ PISA: Austrália 22º | Brasil 68º

A economia australiana tem forte base na exportação de commodities, com 74% das exportações vindo da agricultura e mineração. Porém, as teorias econômicas evidenciam que mais importante do que o que se produz é como se produz. E isto está diretamente ligado ao ambiente para se empreender e trabalhar. Por isso, a Austrália apresenta excelentes indicadores socioeconômicos.

Assim como a Austrália, o NOVO defende cidadão máximo e um Estado eficiente que priorize as áreas essenciais. Nossos eleitos continuarão trabalhando pela aprovação das reformas estruturais, reduzindo o tamanho da máquina pública, melhorando a relação comercial com o mundo e devolvendo ao cidadão seu protagonismo, iniciativas indispensáveis para nos aproximarmos da realidade dos países que deram certo.

Receba nossas

novidades por

email