fbpx

Com apoio do NOVO, Assembleia do RS aprova Reforma da Previdência Estadual

19 de dezembro de 2019

A Assembleia Legislativa aprovou, nesta quarta-feira (18/12), a reforma da previdência dos servidores estaduais. Em sessão extraordinária que durou mais de 8 horas, os deputados ratificaram – por 38 votos a 15 – o PLC 503/2019 proposto pelo governo que resultará em economia de R$ 1 bilhão por ano aos cofres públicos.

 

A matéria redefine o cálculo da aposentadoria, institui idade mínima e modifica as alíquotas de contribuição, reduzindo o percentual de quem ganha menos e aumentando o desconto daqueles que recebem os maiores salários. As novas regras são válidas para servidores ativos, inativos e pensionistas.

 


Defensores da reforma, os deputados estaduais Fabio Ostermann e Giuseppe Riesgo comemoraram a decisão. De acordo com Ostermann, a aprovação da reforma representa uma vitória da sociedade gaúcha.

 

“Há pelo menos 40 anos, o RS gasta mais do que arrecada, e hoje somos o Estado com a previdência mais cara do Brasil. Corrigir essas distorções é fundamental para enfrentar a crise e pavimentar o caminho para o futuro. Esta é uma vitória dos 11 milhões de gaúchos que diariamente vêm pagando a conta”, ressaltou Ostermann.

 

Atualmente, o governo arrecada R$ 6 bilhões por ano em contribuições, mas gasta três vezes mais para manter servidores aposentados e pensionistas. Em 2019, a previdência estadual acumulará um déficit de R$ 12 bilhões. Para cobrir esse rombo que consome 34% da receita corrente líquida, o Piratini deixa de investir em áreas essenciais como saúde, segurança, educação e infraestrutura.

 

“É como se cada gaúcho tenha que desembolsar R$ 1.090 em impostos para essa conta fechar. Se não aprovarmos o pacote de reformas, permitiremos que os gastos da previdência sigam crescendo, continuaremos cobrando impostos mais altos, pagaremos salários do funcionalismo cada vez mais atrasado e, por fim, afundaremos o Estado ainda mais”, alertou o deputado estadual Giuseppe Riesgo.

 

O Projeto de Lei Complementar (PLC) 503/2019 estabelece que os servidores passarão a contribuir com alíquotas progressivas que oscilam de 7,5% a 22%, de acordo com a faixa salarial. Na prática, a medida reduz a contribuição de quem ganha menos de R$ 3 mil mensais e amplia o percentual da elite do funcionalismo. Por exemplo, um professor que ganha R$ 2 mil diminuirá a contribuição de R$ 280 para R$ 165 por mês. Por outro lado, um desembargador que recebe R$ 25 mil elevará a contribuição de R$ 3,5 mil para R$ 3,9 mil por mês.

 

Pelos critérios antigos, todos os servidores contribuíam com uma alíquota de 14%, independente do valor do salário, exceto inativos que recebem menos de R$ 5,8 mil, que estavam isentos. Seguirão isentos de contribuição apenas os inativos que recebem menos de um salário mínimo.

 

O PLC 503/2019 também iguala os critérios estabelecidos na reforma da previdência estadual e institui idade mínima de contribuição 65 anos para homens e 62, para mulheres. O texto também estabelece uma nova fórmula de cálculo para a aposentadoria dos servidores estaduais, que passarão a receber uma média de todas as contribuições ao longo da carreira. Antes, o benefício era contabilizado a partir das 80% maiores contribuições.

 

 
 

Foto: Divulgação / giusepperiesgo.com.br

 

Receba nossas

novidades por

email