Bancada do NOVO no RS critica decisão da Justiça de suspender congelamento orçamentário

Bancada do NOVO no RS critica decisão da Justiça de suspender congelamento orçamentário

Compartilhar

Os deputados do Partido Novo no RS, Fabio OstermannGiuseppe Riesgo, subiram à tribuna, nesta quarta-feira (21/08), para criticar a decisão do Poder Judiciário de suspender a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), a pedido do Ministério Público. No projeto aprovado por ampla maioria na Assembleia Legislativa, os repasses para todos os Poderes e órgãos públicos estaduais em 2020 não receberiam nenhum tipo de reajuste, permanecendo congelados.

 

Conforme o líder da bancada do Partido Novo, a decisão liminar é uma afronta ao Executivo e um desrespeito à soberania do Parlamento gaúcho. “É mais uma vez o Judiciário demonstrando seu descolamento da realidade do nosso Estado. Precisamos ser conscientes em relação à situação de crise fiscal que enfrentamos. Os servidores do Executivo recebem salários em atraso há 46 meses”, criticou Ostermann.

 

Riesgo ressaltou que o Poder Legislativo tem procurado dar o exemplo e adotar medidas de austeridade para auxiliar o Estado a superar a falta de recursos. “Enquanto a Assembleia faz o máximo possível para reduzir custos, ajustar o orçamento, privatizar estatais, cortar privilégios, acabar com a Licença Prêmio e reformar a previdência, o Poder Judiciário nega o congelamento do orçamento e se auto concede aumento de salários de 16%”, comparou.

 

Os parlamentares também fizeram críticas ao Tribunal de Justiça, ao Ministério Público, à Defensoria Pública e ao Tribunal de Contas por não terem enviado representantes à audiência pública realizada na Assembleia Legislativa para debater o reajuste de salários concedidos sem o aval do Parlamento a magistrados, conselheiros, procuradores, promotores e defensores. “Se ausentaram e se omitem de um dever perante a sociedade”, disparou Ostermann.

 

 

Outra medida reprovada por Ostermann e Riesgo está relacionada às metas do Poder Judiciário para o Plano Plurianual do Estado (PPA). No documento, a Justiça cita criação de novas comarcas, realização de concurso público, nomeação de juízes e desembargadores, concessão de reposição salarial, aquisição de equipamentos e melhorias nas instalações, entre outras reivindicações. “Quando analisamos o PPA, fica claro que o Poder Judiciário vive em outro mundo”, repreendeu Riesgo.

 

O estado do Rio Grande do Sul está situação de risco, com as contas no vermelho. Medidas para equilibrar o deficit são fundamentais, é importante que todos os setores e instâncias colaborem para o bem de toda sociedade gaúcha.