Dos gregos ao processo seletivo do NOVO

novembro 11, 2017 8:52 pm

por Marcelo Silva

 

Ao longo da história do pensamento político tivemos muitas variações, avanços e retrocessos sobre formas de governo. Tivemos grandes pensadores que se debruçaram sobre o tema em diferentes épocas e lugares no mundo, mas em nenhum momento tivemos a ocorrência singular de ter três grandes pensadores em sequência, herdando e sendo um discípulo direto do anterior: Sócrates, Platão e Aristóteles.

O pensamento de Aristóteles, como síntese de três grandes pensadores, até hoje é referendado como pai da democracia, mas seu pensamento não foi totalmente compreendido, seja pelas circunstâncias externas e guerras ou pelo jogo do poder dos familiares no comando das nações, e nunca permitido que suas ideias fossem totalmente implementadas.

Aristóteles classificou seis espécies de governo possíveis em função de dois aspectos: quem governa e a favor de quem governa, conforme esquema abaixo:

governos

O governo verdadeiro ou bom governo deve governar para o povo. Um governo dos bons, dos sábios e instruídos capazes de inspirar um povo para uma vida digna, para a ética nas relações humanas e com conhecimento em governança e gestão. Entretanto infelizmente há também o governo corrupto, que visa explorar o povo, governando voltado para si mesmo, para suas castas ou herdeiros de uma família ou outra.

Aristóteles concluiu ser a politeia a melhor forma de alcançar uma vida digna em sociedade. Por outro lado, preferia uma democracia do que uma monarquia ou até uma “boa” aristocracia, pois confia mais na liberdade de decisão do indivíduo que a de um ou grupo em nome de muitos. A democracia, por outro lado, permite se alternar de um governo para outro, ainda que tirano, felizmente ou infelizmente.

Segundo Aristóteles,  a questão central para passarmos de uma oligarquia ou democracia (governo corrupto) para uma aristocracia ou politeia (governo verdadeiro) iria depender da forma e do conteúdo da participação de cada cidadão na política, afirmando que “o homem é por sua natureza um animal político” pois não consegue viver senão em comunidade. O que varia será o seu interesse no governo, se em prol da comunidade ou em prol de si mesmo. Por outro lado, se examinarmos a acepção original grega do significado da palavra idiota (id ou idiotes = eu, preocupação como privado; ota = voltado para si) significa uma pessoa voltada para si mesmo, enquanto seu antônimo é o político, pessoa voltada para polis (comunidade). Portanto, cada cidadão semanticamente só pode necessariamente ser ou idiota ou político. Assim, se formos idiotas teremos um governo corrupto, se formos políticos teremos um governo verdadeiro.

Daqui decorre um dos importantes princípios do NOVO: “Indivíduo como agente de mudança – As mudanças e reformas que queremos promover têm o indivíduo, através da sua atuação e do voto consciente, como principal responsável. O direito de criticar deve ter como contrapartida o dever de participar.”

Platão defendia que só os sábios, filósofos e/ou pessoas bem-sucedidas deveriam ser os governantes, por dois motivos que se completam: inspirar seu povo a uma boa conduta para o seu próprio sucesso e ter conhecimento necessário para governar. Ensaiando uma metáfora, ele dizia que se um povo estivesse num navio como passageiros à deriva iria querer escolher alguém dentre aqueles que soubessem navegar com habilidade ou experiência já demonstrada para evitar os arrecifes e conduzir com justiça para levar o navio para terra firme. Certamente não iria permitir que qualquer leigo o fizesse por mais carismático que fosse.

Apesar de ter sofrido críticas de ser autoritário e elitista, as noções políticas de Platão sobre a escolha/educação dos governantes de uma nação foram muito além da Grécia, influenciando a humanidade e pensadores que vieram em seguida, tais como o império romano, ecoando as noções de virtude e educação da filosofia política de eruditos chineses como Confúcio e Mozi, e até Kautilya na Índia, moldando a cultura oriental e países asiáticos, incluso a Coreia do Sul e até o Japão.

Os gregos influenciaram até mesmo Tomás de Aquino, que convenceu a Igreja a permitir um governo por meio da razão e das leis naturais, limitado à promoção da justiça em detrimento da autoridade divina, marcando o final da idade média e inicio do iluminismo. Aquino foi também um dos pioneiros a pensar nos limites do governante por meios de leis que limitassem o seu poder e permitissem aos cidadãos desenvolver toda sua potencialidade, abrindo espaço séculos depois para o desenvolvimento das ideias que promovesse maior liberdade na vida em comunidade, de onde decorrem os demais princípios do NOVO.

Pela primeira vez na história política do Brasil temos um partido político que institui um processo seletivo para escolha dos candidatos a serem governantes da nação, processo este que visa trazer à tona ideias bem sucedidas em muitos países que admiramos. É uma poderosa ideia que traz consigo a capacidade de mobilização e implantação das ideias certas de liberdade e empoderamento do indivíduo contra a tirania de um estado gigante e opressor.


Marcelo Silva é agente de inovação, auditor fiscal da Receita Federal e autor do livro ‘Implantação de um Governo Eletrônico e-GOV’.


Os textos refletem a opinião do autor e não, necessariamente, do Partido Novo.

Categorizados em:

Comentários